MÚSICA / 3 - Ambiente / Jazz / Pop / Bossa / Lounge

Maria Anadon - Jazz e Bossa Nova

Apresentação

Maria Anadon - Jazz e Bossa Nova (ID. 2000)    Partilhar

Biografia:

Perseguida anos a fio pelos jornalistas com a pergunta “Maria Anadon , porquê o jazz?”,

 

Maria grava o seu primeiro CD, em 1995, intitulando-o de Why Jazz”. Acompanhada pelo quarteto feminino norte-americano Unpredictable Nature , na contracapa responde That’s Why !”. Este trabalho, gravado em inglês, foi contemplado pelo Ministério da Cultura com o manifesto de interesse cultural.

 

Entretanto surge “Cem Anos”, o segundo CD, editado em Novembro de 1998 pela Movieplay Grove , um trabalho cem por cento português, e que consiste na recriação e devolução à contemporaneidade de temas que serviram de bandas sonoras ao cinema português.

 

A voz de Maria Anadon é assim o fio condutor que atravessa um século de história, com músicas que datam desde 1918, de compositores como António Pinho

 

Vargas, Carlos Paredes, Manuel Jorge Veloso ou Tomás Pimentel, entre outros.

 

Para algumas composições que originalmente não apresentavam texto, foram convidados poetas contemporâneos. Noutras, a voz é totalmente utilizada como instrumento fazendo naipe com os metais.

 

“Cem anos” é um trabalho lusitano, que recolhe influências várias: o Fado de Lisboa, o cheiro a café de África, os sons da América Latina ou o ambiente dos clubes

 

de Jazz de New Orleans . Também este trabalho foi merecedor da classificação de Manifesto de Interesse Cultural.

 

Os concertos efectuados consistiam na fusão dos dois trabalhos discográficos, denunciando assim a universalidade do jazz em momentos mágicos, como o da colagem dos temas Caravan ” e “Verdes Anos”.

 

A aceitação deste trabalho é anunciada pelas críticas das apresentações ao vivo.

 

Em paralelo, inicia o seu trabalho com o Maestro António Saiote, onde interpreta e grava ao vivo alguns temas do cinema norte-americano acompanhada pela

 
Orquestra Invicta de Clarinetes.
 

Em 2000, é a convite do pianista Arrigo Cappelletti que parte para uma série de concertos em Itália com um projecto inovador sobre o fado e o Jazz com textos dos nossos melhores poetas contemporâneos, Fernando Pessoa ou o seu heterónimo Álvaro de Campos, Sofia de Melo Breyner , Mário de Sá Carneiro, Teresa Rita Lopes entre outros.

 

Neste ano, em simultâneo, inicia a gravação de um novo trabalho com o grupo Terra d’Água , um grupo novo com músicas inéditas e textos da sua autoria.

 

Este trabalho tem edição pela Forrest Hill Records (etiqueta italiana), tendo sido lançado no mercado em concertos em Portugal e na Holanda.

 

Mas obviamente que a sua paixão pelo Jazz tradicional se mantém, o que faz com que os standards sejam uma constante na sua vida musical. Tentando sempre inovar o que todos conhecem, quer seja com um novo arranjo musical ou com a introdução de instrumentos novos, desta vez, Maria convida o violoncelo de Davide Zaccaria em vez de um contrabaixo, e o acordeão de Arnaldo Fonseca, e juntamente com José Soares na guitarraforma o Maria Anadon Ensemble . Inicia o trabalho como professora de canto na MusicLand em Mafra a par dos seus alunos particulares, utilizando métodos adaptáveis à  profissionalização ou do aluno.

 

O seu trabalho como professora engloba a apresentação de workshops de voz tendo, como público-alvo alunos de canto e profissionais da voz (professores).

 

Para Outubro, está agendado o lançamento do terceiro álbum a solo, “A Jazzy Way ” com o grupo norte-americano Five Play .

 
Este disco obteve já o Manifesto de Interesse Cultural.
 

Galeria de Videos

Galeria de Fotos

Referências

Opiniões

Preços